Prevenção do Trauma Relacionado ao Álcool na Juventude

Os coordenadores Ryana Do Val, Ricardo Almeida, Guilherme Redezuk e Gabriel Marchetto

Na terça-feira, 31 de Outubro, o P.A.R.T.Y. Campinas realizou sua última edição no ano de 2017 com a presença da E.E. Vitor Meirelles, que trouxe 78 alunos para participarem do programa.

Segundo registro do Programa no HC da UNICAMP, este último somatiza um total de 118 edições realizadas. A satisfação é muito grande em poder participar de um programa como este, que tem uma grande importância na vida dos jovens que passam por ele. Toda a equipe do CoPELT está muito feliz com os resultados obtidos, principalmente os coordenadores que trabalharam em todas as edições desse ano e conseguiram fazer com que tudo ocorresse conforme o esperado.

Os coordenadores Ryana Do Val, Ricardo Almeida, Guilherme Redezuk e Gabriel Marchetto, todos estudantes do terceiro ano da Medicina da UNICAMP, deram seus depoimentos sobre as expectativas que eles tinham antes da gestão deles começar, avaliando se elas foram cumpridas e também contando um pouco sobre a experiência que tiveram e a diferença que o programa fez na vida tanto dos alunos quanto deles próprios:

“Fizemos algumas mudanças no P.A.R.T.Y., principalmente na dinâmica das apresentações. Acho que junto com o apoio e os parceiros, conseguimos tornar as apresentações mais fluidas e com mais conteúdo digital; pensando em prender a atenção do público mais jovem que é alvo do projeto. Acredito que as alterações contribuíram grandemente para melhorar o P.A.R.T.Y.! Minha principal expectativa era a de contribuir para a evolução do projeto. Fiquei bem contente com nosso progresso como CoPELT. Experimentar o programa tantas vezes e trabalhar na sua construção realmente imprime a idéia que ele quer passar. Começamos a pensar nas escolhas que tomamos até fora do trânsito. Além desse aspecto mais pessoal, observar os alunos que passam pelo projeto, vendo a reação deles às apresentações, vídeos e especialmente à conversa com o paciente na enfermaria é realmente gratificante. Em muitos fica nítido que conseguimos levar a uma reflexão sobre o assunto”. –Ricardo

 “O P.A.R.T.Y. foi um misto de emoções! Muita expectativa e mais ainda gratificações por tudo ter se encaminhado da melhor maneira. Acredito que as expectativas foram mais que cumpridas, foram superadas. Ver que o programa causa um impacto na vida dos jovens é indescritível. Creio que o P.A.R.T.Y. além de tudo proporciona reflexão. Refletir sobre si mesmo e sobre as próprias responsabilidades muda as perspectivas que temos sobre nossas ações”.   –Guilherme

 “Esse ano foi muito importante para o P.A.R.T.Y. Expandimos o programa para diversas cidades do Brasil. Temos uma nova parceria: assistência social. Acredito que a gestão 2017 conseguiu atingir as expectativas, ampliando o programa, agindo de forma a melhorá-lo como um todo. O P.A.R.T.Y. é um programa que passa uma mensagem de prevenção de forma a impactar cada aluno sobre as consequências de escolhas erradas no trânsito. É muito gratificante ver no rosto dos alunos que conseguimos atingir nosso objetivo no final de cada P.A.R.T.Y. Porém, como coordenadora, eu também fui mudando o meu jeito de agir ao longo do ano. Acredito que todo o trabalho ao longo de 2017 valeu muito a pena e espero que o P.A.R.T.Y. continue crescendo e atingindo cada vez mais jovens”. –Ryana

“Achei que os objetivos propostos foram cumpridos com êxito. No início tivemos algumas dificuldades que, no entanto, conseguimos contornar e com o passar do tempo fomos acumulando experiência, o que permitiu que a gente concluísse as edições do programa com êxito. Ser coordenador do P.A.R.T.Y. foi uma experiência que me acrescentou muito. Ele me ajudou a melhorar minhas habilidades de comunicação e de trabalho em equipe. Além disso, me ensinou a lidar melhor com imprevistos e ter mais organização. Acredito que os alunos tenham absorvido a mensagem que procuramos passar, que é a de possibilidade de escolhas e prevenção de traumas, e espero que essa experiência faça com que eles pensem criticamente antes de decidir beber e dirigir.” –Gabriel

Isabela Cauzzo

Orientador: Thiago Calderan

Advertisements

P.A.R.T.Y. Campinas recebeu 70 alunos em 24/10/17

No dia 24 de Outubro, a EE Escritora Raquel de Queiroz levou 70 alunos para a vivência de mais uma edição do P.A.R.T.Y. Campinas no HC da Unicamp. Durante toda a tarde, os alunos puderam ter contato com diversos profissionais, dentre eles o SAMU, bombeiros, assistente social, EMDEC e outros, que transmitiram seus conhecimentos e experiências com o objetivo de disseminar a prevenção.

O P.A.R.T.Y., por ser direcionado aos jovens, tem o objetivo de ser um programa que visa a prevenção através de várias formas de apreensão do conhecimento, tornando assim um programa dinâmico, interativo e que acaba por atingir seu objetivo com maestria.

Durante toda a tarde, os alunos tem contato tanto com os profissionais das áreas de saúde e segurança, quanto com alunos da medicina e da enfermagem da UNICAMP,  pacientes internados no HC e com várias mídias como vídeos, fotos e  música.

Dessa maneira, o P.A.R.T.Y. Campinas consegue unir vários meios de propagação da informação em uma tarde de experiências e contatos que os alunos nunca tiveram. Logo, os estudantes conseguem absorver as informações de uma forma muito mais fácil, rápida e eficiente, garantindo os bons resultados que o programa promove.

Participantes do P.A.R.T.Y. Campinas de 24/10/17

Isabela Cauzzo

P..A.R.T.Y. São José ( 27/10) Foto: Beto Faria/PMSJC

No dia 27 de outubro, ocorreu mais uma edição do P.A.R.T.Y. São José , recebendo 55 alunos do segundo ano do Ensino Médio da Escola Estadual Profº Escola Jorge Barbosa Moreira, de São José dos Campos.

No encontro realizado no Hospital Municipal, os alunos assistiram às palestras proferidas por profissionais de Saúde e Mobilidade Urbana da Prefeitura, Polícia Militar, por meio do programa Proerd (Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência), do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) e do Grau (Grupo de Resgate e Atenção às Urgências e Emergências), Bombeiros, Polícia Rodoviária Federal e Estadual.

Foto: Beto Faria/PMSJC

Durante as apresentações, foram tratados assuntos como álcool e direção, uso do cinto de segurança e celular, entre outros fatores de risco presentes nas ocorrências de trânsito envolvendo jovens. Os adolescentes também participaram de visitas à área de atendimento do HM para entender o processo de recuperação de uma vítima de trânsito.

Desde o lançamento, aproximadamente 300 estudantes de escolas públicas e particulares já participaram do Programa.

São José é a primeira cidade do Vale do Paraíba a integrar o P.A.R.T.Y. Brasil. No ano de 2016, quase 50% das vítimas graves com traumas de trânsito, encaminhadas ao Hospital Municipal tinham entre 14 e 29 anos.

Foto: Beto Faria/PMSJC

Fonte de referência: 

6ª encontro do Party recebe alunos da Vila Cândida (Portal Prefeitura São José dos Campos, 27/10)

 

Antônio Jadson Marreiro Brasil, estudante de Medicina da Unicamp

No dia 3 de Outubro, o P.A.R.T.Y. Campinas realizou mais uma edição do programa junto com a Escola Estadual Dr. Telêmaco Paioli Melgis, que trouxe 40 alunos para vivenciarem a experiência que o P.A.R.T.Y. proporciona.

Como em todas as edições, o programa conta com o apoio de vários agentes de saude e de segurança que nos auxiliam na estruturação e no desenvolvimento das atividades através do comprometimento e envolvimento que eles tem tanto com o P.A.R.T.Y. quanto com a causa. Além desses parceiros, temos estudantes de enfermagem e medicina que participam da realização de tudo isso, que são partes do CoPELT (Comissão de Prevenção e Extensão da Liga do Trauma).

Dentre as várias funções desempenhadas pelos alunos, temos um diretamente envolvido com os alunos, que é o de apresentar os temas relacionados a trauma, bem como mostrar o que é o programa, quais os objetivos e o que vão encontrar na tarde que irão vivenciar no HC. Um dos integrantes desse cargo é Antônio Jadson Marreiro Brasil, estudante de Medicina da Unicamp do terceiro ano, que conta melhor sobre sua escolha em fazer parte desse cargo:

“O que me motivou a ser CoPELT, e principalmente apresentador, foi o fato de você ter mais contato com os alunos das escolas públicas e saber que você está fazendo algo de bom, através da prevenção das pessoas, evitando que elas cometam erros que você vê diariamente na enfermaria e no pronto socorro . Você poder agir de uma forma que faça eles se prevenirem, é uma forma muito gratificante e que te traz frutos mesmo com você ainda na faculdade, não sabendo condutas de medicamentos e de cirurgias. Assim, você sabe que está fazendo algo que está dando resultado através da prevenção das crianças e adolescentes”.

Fazer parte do programa P.A.R.T.Y. é atuar de forma multidisciplinar e ativamente para que os objetivos na prevenção sejam alcançados, sensibilizando os jovens a identificar os riscos e promover suas escolhas corretas.

Participantes P.A.R.T.Y. Campinas 03/10/17

 

Isabela Cauzzo

Orientador Thiago Calderan

Maria Luiza Brunier dos Santos, professora de matemática

No dia 19 de Setembro, aconteceu mais uma edição do P.A.R.T.Y. Campinas na Unicamp com a Escola Estadual Monsenhor Luiz Gonzaga de Moura. Nessa tarde, 68 alunos compareceram para vivenciarem um dia de experiências para que haja a conscientização sobre as imprudências no trânsito, que trazem consequências drásticas e muitas vezes irreversíveis.

Nesse dia, os muitos profissionais parceiros participantes como EMDEC, Bombeiros, SAMU, Serviço Social e outros puderam contar um pouco de suas experiências e também ajudar​ ​na​ ​vivência​ ​dos​ ​alunos​ ​com​ ​relação​ ​a​ ​esse​ ​tema​ ​tão​ ​importante.

Uma das pessoas que gostou muito do programa e de toda a ideia de prevenção que tem por trás foi uma das professoras da escola, a professora de matemática Maria Luiza Brunier dos Santos, 59 anos, que contou um pouco sobre o que estava achando do P.A.R.T.Y. e também falou um pouco das expectativas sobre a visita que ainda iam fazer nas​ ​enfermarias​ ​e​ ​na​ ​UTI​ ​para​ ​conversarem​ ​com​ ​os​ ​pacientes:

“Eu espero que os alunos entendam tudo o que foi passado até agora e repassem para seus familiares, amigos e pessoas que estão ao seu entorno. Acredito que seja importante tratar desse tema nessa faixa etária em que esses alunos se inserem porque nós vemos que as pessoas que sofrem traumas por imprudências no trânsito atualmente são jovens e por isso esse tipo de informação passada através do programa faz parte da prevenção. Agora que vamos entrar na enfermaria com os alunos, acredito que o contato com os pacientes será um choque para eles, pois uma coisa é apenas ver fotos aqui no anfiteatro e outra é sentir na pele as sensações trazidas pelas conversas com indivíduos que sofreram traumas. Os alunos vão entender o que foi falado quando entrarem em contato​ ​com​ ​o​ ​sofrimento”.

Transformar estes alunos e participantes do PARTY em multiplicadores é uma das ideias do programa, para atingirmos o maior número de pessoas e tentar diminuir o impacto desta doença nesta faixa etária.

Participantes P.A.R.T.Y. Campinas em 19 de setembro

 

Isabela​ ​Cauzzo

Orientador: Thiago Calderan

 

Washington, voluntário reabilitado que participa do P.A.R.T.Y. Campinas

Na última terça-feira, 29 de Agosto, o P.A.R.T.Y. Campinas recebeu mais uma escola para participar de sua edição, a Escola Estadual Residencial São José. Nessa tarde os 52 jovens puderam entrar em contato com os vários profissionais da área da saúde e especialmente com o Washington, estudante de serviço social, voluntário reabilitado, que contou um pouco da sua experiência sobre ocorrido com ele há 22 anos atrás.

Segundo ele, o P.A.R.T.Y. é um programa que visa a prevenção e que acaba abrindo portas para os jovens que são introduzidos nele. Durante a sua fala, Washington da Conceição Moura comenta sobre o seu “acidente” que aconteceu com 17 anos de idade ao cair em uma piscina. Com a queda, ficou tetraplégico e desde então comentou sobre como foi seu processo de reabilitação e sua história de superação: atualmente faz esportes, faculdade e ainda é um parceiro voluntário do P.A.R.T.Y. Campinas desde sua formação.

Em entrevista, falou um pouco sobre como é ser cadeirante nos dias atuais e como ele lida com isso: “Tenho uma vida mega ativa por ter passado por uma reabilitação difícil, mas que me deu resultado. Eu quero mostrar isso pras outras pessoas. Independente da gente estar no hospital, a gente também tem que se tratar psicologicamente e tratar a família. Você também tem que ter a confiança de poder caminhar na rua, porque a gente sabe das dificuldades. Eu tive que passar por todo esse processo  pra poder falar que hoje eu sou uma pessoa totalmente reabilitada e com uma vida ativa. O problema é que dificilmente a gente muda aquela ideia de olhar pra um cadeirante e ficar com dó dele, achar que ele é um coitado. E aí eu pergunto: você conhece o que eu faço? Temos que voltar para a sociedade com uma cabeça pensante e batalhar para a nossa melhora.”

A participação de um voluntário com sequela por trauma, porém totalmente reabilitado é mais uma forma de engrandecer o programa, sensibilizando os jovens quais os riscos que podem se submeter em situações de escolhas erradas.

Isabela Schoenacker Cauzzo

Orientador Thiago Calderan

Participantes do P.A.R.T.Y. São José em 25/08/17

Na sexta-feira (25), alunos do segundo ano do ensino médio da escola estadual Profº Dorival Monteiro, localizada no bairro Novo Horizonte, região leste de São José dos Campos, participaram de mais uma edição do P.A.R.T.Y. Brasil em São José dos Campos (SP).

O encontro foi realizado no Hospital Municipal e contou com profissionais da Prefeitura, do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) e do Grau (Grupo de Resgate e Atenção às Urgências e Emergências),Bombeiros, Polícia Rodoviária Federal e Estadual.

P.A.R.T.Y. São José -25/08/17

Foram ministradas palestras aos adolescentes com foco em questões como álcool e direção, falta do cinto de segurança, uso do celular, entre outros fatores de risco presentes nas ocorrências de trânsito. Também foram realizadas visitas à área de atendimento do HM e ao Centro de Reabilitação Lucy Montoro para os alunos compreenderem o processo de recuperação de uma vítima de trânsito.

Segundo o professor e coordenador do núcleo pedagógico da Diretoria de Ensino, Alex Rodolfo Carneiro, o projeto P.A.R.T.Y. “veio num momento muito importante, até por conta do consumo de álcool e drogas pelos jovens. Tem a questão preventiva e ao mesmo tempo mostra a realidade do cotidiano. São sensações de muito impacto. O fato de apresentar a vivência hospitalar e a reabilitação no Lucy Montoro, deixa os jovens mais em alerta e mostra que o acidente de trânsito pode ser evitado”, afirmou.

São José é a primeira cidade do Vale do Paraíba a integrar o P.A.R.T.Y. Brasil. No ano de 2016, quase 50% das vítimas graves com traumas de trânsito, encaminhadas ao Hospital Municipal tinham entre 14 e 29 anos. Além de São José dos Campos,  o Programa P.A.R.T.Y., fundado no Canadá, também possui atuação nas cidades de Ribeirão Preto (SP), Campinas (SP), Vitória (ES) e Sorocaba (SP).

Fonte: 

Alunos do Novo Horizonte participam do projeto P.A.R.T.Y.  

Veja também:

Programa canadense é arma para prevenção de acidentes em São José